Chocolate é sinônimo de saúde, mas exige moderação…

A proximidade da Páscoa traz satisfação dobrada para a maioria das pessoas. Além do feriado prolongado, a data ainda costuma chegar com a companhia de muitos chocolates. Saborosos, eles fazem a ale…

A proximidade da Páscoa traz satisfação dobrada para a maioria das pessoas. Além do feriado prolongado, a data ainda costuma chegar com a companhia de muitos chocolates. Saborosos, eles fazem a alegria de crianças e adultos, mas, mesmo em período de comemoração, é preciso consumi-lo com sabedoria e de forma moderada.

Segundo a nutróloga Cristiane Molon, o chocolate é um alimento funcional, rico em antioxidantes, minerais e flavonoides, substâncias estas essenciais ao organismo. No entanto, para oferecer todos esses benefícios, o produto deve ter, pelo menos, 50% de cacau na composição. “Essa concentração indica que seu índice glicêmico não é alto. Outra vantagem é que ele ajuda na saciedade. A quantidade ideal de chocolate que pode ser consumida por dia é de 30 gramas”, explica.

A especialista também sugere aos admiradores do doce que evitem o chocolate branco. Produzida, basicamente, com manteiga de cacau, açúcar e gordura, a versão não possui valor nutricional já que o cacau aparece em quantidades mínimas.

Além de saboroso, esse ingrediente essencial contém diversas substâncias benéficas, como minerais, vitamina C, ômega 6 e polifenois, poderosos compostos bioativos com propriedades neurotransmissoras, de rejuvenescimento e de redução do apetite e da pressão sanguínea. Conforme a nutróloga, pequenas porções de chocolate, principalmente, o amargo, aumentam a quantidade de serotonina, contribuindo para a sensação de bem-estar.

Aos diabéticos e intolerantes à lactose, uma boa alternativa para aproveitar a Páscoa sem prejuízos à saúde é aderir ao chocolate de alfarroba. “É uma vagem comestível com baixo teor de gordura e rica em vitaminas do complexo B e vitamina E”, comenta Cristiane Molon.

Ela também destaca que as frutas secas, como damasco, ameixa e tâmara, não opções interessantes aos que pretendem evitar o consumo exagerado de chocolate em qualquer época do ano. Conforme a nutróloga, consumi-lo em grandes quantidades regularmente pode levar ao excesso de peso e, por consequência, a doenças crônicas como diabetes e dislipidemias, ou seja, aumento do colesterol e triglicerídeos.

Benefícios do chocolate amargo

– Promove um fluxo maior de sangue no coração;

– A teobromina, substância presente no cacau, tem efeito semelhante à cafeína e estimula a circulação sanguínea e o desempenho cerebral;

– Tem alta concentração de antioxidantes, o que auxilia no combate aos radicais livres, retardando o envelhecimento precoce;

– Além de conter menos gorduras e açúcares, o chocolate amargo tem 70% de cacau, sendo uma importante fonte de flavonóides, compostos antioxidantes que aumentam a concentração de HDL, o colesterol bom, e reduzem o colesterol ruim.

Diferenças entre os chocolates

Chocolate branco – não tem cacau e possui mais açúcar e gordura na composição.

Chocolate ao leite – é o mais comum, tem pouca quantidade de cacau, sendo mais concentrado em leite e açúcar.

Chocolate meio amargo – é o que tem entre 40% e 55% de cacau. Além disso, possui pouca quantidade de manteiga de cacau e açúcar.

Chocolate negro ou amargo – é o que tem mais cacau, entre 60% e 85%, e menos açúcar e gordura.

Sobre Cristiane Molon

Médica especializada em nutrologia, Cristiane Molon é formada pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Possui, ainda, pós-graduação em Prática Ortomolecular e Saúde da Família. É também proprietária de Vip Estética, clínica instalada em Jaraguá do Sul. Para mais informações, acesse www.cristianemolon.com.br ou www.facebook.com/CristianeMolon.

A nutróloga também está no Instagram.

Fonte: Cristiane Molon – (47) 3273-1575

Foto: arquivo pessoal

Fonte: Chocolate é sinônimo de saúde, mas exige moderação

Related posts

Leave a Comment